Tem 30 anos. Pós-graduado com Especialização em Assessoria de Imprensa pela Faculdade do Vale do Ipojuca, graduado em Comunicação Social pela Universidade Estadual da Paraíba.

Já atuou na Rádio São Domingos FM (Brejo da Madre de Deus) em 2007, na Rádio 101,9 FM (Santa Cruz do Capibaribe) de 2007-2008, na Estação Sat (Santa Cruz do Capibaribe) de 2008-2009 e atua até hoje na Rádio Vale AM. Onde desenvolve os trabalhos de produtor e apresentador do programa VALE MAIS.

Atualmente é o responsável pelo Blog do Melqui, assessor de imprensa do vereador Ronaldo Pacas, jornalista da Rádio Vale AM, diretor da Flipi Comunicação e assessor de imprensa da Secretaria Municipal de Assistência Social de Taquaritinga do Norte. Entre em contato pelo blogdomelqui@hotmail.com ou pelo flipicomunicacao@gmail.com.

Acompanhe o Melqui Lima



Mural

Melqui Lima
A Voz do Brasil presta um grande serviço à sociedade. Mas se você não quer deixar de ouvir a transmissão de mais de 1/3 dos jogos da Copa que acontecerão às 19h e quer mais informação de trânsito, música e entretenimento nesse horário, a voz do seu deputado precisa falar por você. Essa é a hora! O Brasil quer a flexibilização do horário da Voz do Brasil votada e aprovada. Particip...
Terça, 22 Abril 2014 17:35
Melqui Lima
Super Manhã - de segunda à ***ta, a partir das 8h da manhã. Tarde Livre - de segunda à ***ta das 14h às 16h. Participe pelos telefones 3731-4033 ou 9275-6290
Quarta, 12 Março 2014 16:44
Deixe o seu recado!

Tecnologia 3D ajuda na reconstrução de crânios em hospital de Pernambuco

Aos 20 anos, o jovem Lucas Rafael da Silva, morador de Itapissuma, Grande Recife, tem a sensação de estar recomeçando a viver. Em 16 de março de 2013 seus planos de chegar à faculdade e se formar em pedagogia foram interrompidos. Quinze dias depois de obter a habilitação para guiar sua moto, sofreu um grave acidente, e, mesmo com capacete, teve traumatismo encefálico. Durante o tratamento, perdeu quase um quarto do crânio, motivo para se esconder do mundo. Mas graças à união, no SUS, da cirurgia plástica à tecnologia 3D, ficou livre da deformidade e está disposto a recuperar o que deixou para trás.


A parceria que acaba de devolver a Lucas a parte do crânio milimetricamente perfeita acontece entre o Hospital da Restauração, referência em trauma e neurocirurgia, no Recife, e o Centro de Informação Tecnológica Renato Archer, em Campinas (SP). O serviço estadual é um dos 130 hospitais do País a contar com o apoio do centro do Ministério da Ciência e Tecnologia. Há uma década e meia o CIT ajuda médicos a entender melhor o corpo do doente, tratar e curar seus males.


No HR, o cirurgião plástico que nunca brincou de escultor na infância, mas sempre admirou a arte e a tecnologia, sente-se realizado ao ver o sorriso de volta ao rosto antes sofrido das vítimas do trânsito. Juan Pablo Maricevich, 35, bisneto de um croata que mudou-se para o Paraguai fugindo da Primeira Guerra Mundial, dedica-se a mudar a história de quem sobrevive à batalha moderna. Foi ele quem buscou a parceria em Campinas, aperfeiçoando a técnica de reconstrução usada no hospital. É cirurgião geral, especializou-se em plástica e cirurgia crânio-maxilo-facial, com passagem pelos Institutos Ivo Pitanguy e Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), no Rio de Janeiro.


"Era um desafio encontrar o encaixe perfeito. Com a tecnologia 3D conseguimos moldar a prótese customizada, feita exclusivamente para cada paciente", explica. Em menos de um ano ele já operou 23 pessoas. Maricevich explica que o implante feito sob medida perfeita beneficia não só as vítimas de trauma, mas também quem se submeteu à remoção de tumores, sofreu acidente vascular cerebral (AVC) ou teve outras anomalias que causaram deformidades cranianas. Muitas vezes, mesmo não havendo fratura óssea, é necessário remover um pedaço do crânio quando há inchaço do cérebro.


"Inflamado, não tem para onde expandir. Por isso é necessário abrir o crânio." A parte removida pode ser guardada no abdome. Mas o osso vai sendo absorvido pelo organismo e, na hora de ser reposto, está em tamanho menor, gerando incompatibilidade. Foi o que aconteceu, por exemplo, com o caminhoneiro de Bom Jardim (Agreste) Antônio Gonçalves, 54, outro a se beneficiar com a técnica que usa tecnologia 3D. Ele foi atropelado no ano passado e em fevereiro último recebeu a prótese. "Minha mãe, de 78 anos, diz que agora estou bonito", comenta.


Depois do protótipo do crânio, feito pela impressora 3D, em Campinas, uma forma também é gerada, para que o médico, durante a operação, molde, em dez minutos, o cimento cirúrgico, biocompatível com o organismo. O procedimento completo dura em média três horas e a peça é fixada com ajuda de ligas de titânio. "Nessa cirurgia reparadora, funcional, a estética é bônus e tem muita importância na saúde mental", observa Maricevich, lembrando o restauro da autoestima do paciente. A reconstrução craniana corrige a deformidade, ao mesmo tempo em que protege o cérebro de disfunções neurológicas e desconfortos causados pela ausência da camada óssea de cinco a sete milímetros.


O engenheiro elétrico Jorge Vicente Lopes da Silva, coordenador da Divisão de Tecnologias Tridimensionais do CTI Renato Archer, mestre em computação e doutor em engenharia química, informa que desde o ano 2000 pacientes têm se beneficiado com o software criado. No ano passado, 516 receberam tratamento apoiados pela tecnologia 3D. Além do Brasil, médicos de países vizinhos têm buscado a parceria. "Nosso objetivo é criar novos polos no País e desenvolver um modelo com menor custo. O que o SUS está proporcionando muitas vezes não é encontrado no setor privado do primeiro mundo", afirma. Segundo ele, 119 nações já utilizam o software do CTI Renato Archer. No Nordeste, um núcleo vem sendo formado na Universidade Estadual da Paraíba, em Campina Grande, para desenvolvimento de tecnologias voltadas à saúde, informa o pesquisador.


Fonte: Jornal do Commercio - Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar